Home » Cursos » SAIBA MAIS SOBRE O MÉTODO

SAIBA MAIS SOBRE O MÉTODO

Por que é impossível dissociar a osteopatia visceral das colunas de pressão

Normalização do estômago aos raios X

O Método das Colunas de Pressão representa uma nova abordagem, validada cientificamente, na área da osteopatia.

A evidência científica desta técnica decorre de três anos de investigação conduzidos pelos criadores do método, os osteopatas belgas G. Finet e C. Williame, em colaboração com a Faculdade Politécnica de Mons (Bélgica).

Auxiliados por exames radiológicos e de ultrassonografia, Finet & Williame conseguiram demonstrar a existência de movimentos viscerais sistemáticos, associados à respiração diafragmática.
Foi estudada a mobilidade de cada órgão, num total de mais de 24 horas de vídeo dos movimentos viscerais.

A investigação levou em consideração a atividade sinérgica e pré-programada de um grupo de músculos (pavimento pélvico, transverso abdominal, diafragma, intercostais, escalenos, esternocleidomastóideo e trapézio), que no seu conjunto formam uma série muscular.
Concluiu-se ainda que estes músculos influenciam de modo significativo a pressão intra abdominal e intra torácica, controlando o processo da respiração, a postura e agindo sobre a mobilidade das vísceras abdominais. Tal só é possível graças ao aumento da pressão nas diversas cavidades do corpo, fenómeno denominado como “colunas de pressão”.

permanente ativação patológica deste grupo muscular, que pode ter origem em inúmeras lesões osteopáticas, leva ao aumento crónico da pressão abdominal torácica e intracraniana.
Uma vez instaurada, a coluna de pressão patológica pode alterar a mobilidade fisiológica das vísceras.

Assim, o objectivo do tratamento osteopático deverá ser a normalização da pressão corporal, através da regulação das atividades destes músculos, por intermédio de diversas técnicas osteopáticas que atuam no nível estrutural, visceral e craniossacral.
A normalização da mobilidade das vísceras consegue-se através de técnicas de indução fascial integradas numa abordagem global que tenha em consideração as “colunas de pressão”.

Só com o Método das Colunas de Pressão é possível realizar uma verdadeira abordagem global no campo da osteopatia, na medida em que as três ligações - mecânica, neurológica e fluídica - se complementam no modelo pressório.
Facilmente se percebe a importância deste novo conceito. Caso, p.ex., a pressão abdominal não seja a correcta, todas as vísceras abdominais sofrerão e serão afectadas pela pressão patológica, revelando-se insuficiente o trabalho fascial da víscera.
A eficácia clínica do método das colunas de pressão em algumas patologias do aparelho digestivo foi evidenciada cientificamente numa pesquisa publicada na Revista de Medicina Militar, conduzida no Hospital Militar de Roma, com a participação do Prof. Massimo Lombardozzi.

Mas não é apenas sobre a dinâmica visceral que o método das colunas de pressão influi positivamente.

Sabia que a que a dor lombar pode derivar do mau funcionamento de um órgão?
Quando um órgão não se consegue mover em harmonia, devido a tensões anormais e aderências, vai stressar outros órgãos e estruturas como vasos, nervos, músculos, ligamentos e articulações. Esta perda de harmonia cria pontos anormais de tensão que obrigam o corpo a mover-se em sobrecarga, originando irritações crónicas e promovendo alterações posturais, disfunções neuromusculares e processos degenerativos.
A manipulação visceral baseia-se na palpação dos tecidos, preconizando a identificação de uma mobilidade/tensão anormal. Através das técnicas de correcção vai induzir-se uma melhoria do funcionamento dos órgãos, que dissipará os efeitos negativos de tensões, aumentará a mobilidade do sistema músculo-esquelético e influenciará o metabolismo geral.

Exemplos de patologias que beneficiam com a osteopatia visceral: Distúrbios osteomusculares, dores crónicas da coluna vertebral, dores pélvicas, cefaleias e enxaquecas, disfunções do aparelho gastro intestinal, distúrbios digestivos, náuseas, azia, refluxo gastroesofágico, disfunções da deglutição, diarreia, obstipação, dores menstruais, incontinência e problemas urinários, entre outros.

 

Colaborações

Colaborações - Massimo Lombardozzi Osteopatia

Colaborações - Massimo Lombardozzi Osteopatia

Colaborações - Massimo Lombardozzi Osteopatia

estou no

estou no - Massimo Lombardozzi Osteopatia